A notícia na íntegra | por Gláucia Lima

quinta-feira

23

julho 2015

0

COMENTÁRIOS

Nasa descobre planeta similar à Terra

Por , em Notas

Nasa descobre planeta que pode ser similar à Terra / Reprodução/Nasa

Nasa descobre planeta que pode ser similar à Terra / Reprodução/Nasa

A Nasa (Agência espacial americana, da sigla em inglês) anunciou nesta quinta-feira a descoberta de um planeta similar à Terra em uma zona potencialmente habitável (área em torno de uma estrela e onde a água líquida poderia estar na superfície de um planeta que está em órbita). Visto do telescópio, o Kepler-452b tem tamanho parecido ao terrestre e sol semelhante ao nosso, mas mais velho.

A informação foi divulgada pelo administrador associado da agência, John Grunsfeld, que é responsável pela análise dos dados recebidos do telescópio. A “nova Terra” foi batizada de Kepler-452b, porque o equipamento que o encontrou leva o nome de Kepler.

“Os anos no Kepler-452b tem a mesma duração que aqui na Terra e ele está há milhares de anos na zona habitável de sua estrela. Isto significa que pode ter hospedado vida sobre sua superfície em certo momento ou que ainda pode hospedá-la”, destacou Grunsfeld.

Os dados mostrados pelo telescópio apontam que a estrela do Kepler-452b é 6 bilhões de anos mais velha – 1,5 bilhão de anos mais velha que o Sol. Os estudos também mostram que as duas estrelas têm a mesma temperatura, mas a recentemente descoberta é 20% mais brilhante e tem um diâmetro 10% maior.Já o Kepler-452b tem um diâmetro 60% maior que o da Terra. Sua massa e composição ainda não foram determinadas, mas pesquisas prévias sugerem que o planeta descoberto pode ser rochoso.

A órbita do Kepler-452b tem 385 dias, sendo 5% maior que a terrestre. Ou seja, o planeta descoberto fica a uma distância 5% maior de sua estrela, a Kepler-452.

O sistema da Kepler-452 é localizado a 1.400 anos-luz, na constelação Cygnus.

Esta foi a 11ª descoberta de uma pequena zona habitável, com planetas candidatos a ser “gêmeos” da Terra. A pesquisa será publicada no The Astronomical Journal.

 

Deixe seu recado através do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *