A notícia na íntegra | por Gláucia Lima

segunda-feira

17

abril 2017

0

COMENTÁRIOS

“Robinson não precisa e nem nunca precisou se sujar com R$ 100 mil”, diz primeira-dama

Por , em Geral

julianne-750x500

A secretária do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas) e primeira-dama do Rio Grande do Norte, Julianne Faria, foi às redes sociais para desabafar quanto às acusações que seu esposo, o governador Robinson Faria (PSD), estaria sofrendo após ter sido citado pelo ex-executivo da Odebrecht, Ariel Parente, em delação premiada. Pelo que foi dito por Parente, Robinson teria recebido em 2010 o montante de R$ 100 mil – via caixa 2 – para sua campanha como vice-governador da, hoje, prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini (PP), também mencionada no relatos dos executivos da Odebrecht como receptora de R$ 150 mil durante sua empreitada bem-sucedida ao governo do estado.

“Com relação a essa fala de Fachin, o governador não precisa e nem nunca precisou se sujar com R$ 100 mil! Nasceu em berço de ouro, a família sempre teve condições e ele nunca vendeu para o povo que era um pobre coitado! Seu Amaro Mesquita, avô de Robinson, era dono de mais da metade da cidade”, afirmou Julianne Faria, nesta segunda-feira 17, em seu perfil pessoal no Instagram.

A titular da Sethas RN, inclusive, denunciou na mesma publicação que, ao assumir a secretaria, havia encontrado “uma secretaria repleta dos mais variados esquemas de corrupção aos quais o Ministério Público do RN tem conhecimento de alguns!”, disparou, garantindo, ainda, que Robinson é um homem “honesto” e “ético” e que “nunca precisou fazer da política um emprego”.

Além de Rosalba, o filho de Robinson, deputado federal Fábio Faria (PSD) também teria, de acordo com a delação, recebido na época mais R$ 100 mil visando à sua reeleição no cargo. Os repasses foram autorizados por João Pacífico, da Odebrecht, e os pagamentos avaliados pela equipe de Hilberto Silva, do Setor de Operações Estruturadas. Todas as informações foram relatadas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, como parte das investigações da Lava Jato.

Nas redes sociais, Robinson, que completou 58 anos na última quarta-feira 12, disse que está “sereno” e “pronto para prestar esclarecimentos” acerca de ter seu nome envolvido nas delações da Operação Lava Jato.

Agora RN

Deixe seu recado através do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *