Política

Temer: tortura é ‘inadmissível’, mas não se trata criminalidade ‘com rosas na mão’

O presidente Michel Temer afirmou nessa segunda-feira (11) que a tortura é “inadmissível”, mas não se trata a criminalidade “com rosas na mão”.

Temer participou da cerimônia de sanção da lei que cria o Sistema Único de Segurança Pública, no Palácio do Planalto. O presidente deu a declaração ao destacar presença do ministro dos Direitos Humanos, Gustavo do Vale Rocha, no evento.

“A tortura é inadmissível, mas não se pode tratar a criminalidade com rosas na mão. […] Não vamos ultrapassar o limite da legalidade”, declarou.

Greve dos caminhoneiros

Em seguida, Temer aproveitou o discurso para falar sobre a greve dos caminhoneiros. A paralisação da categoria, contra o aumento no preço do diesel, durou 11 dias e levou o país a uma crise no abastecimento.

À plateia presente ao evento no Planalto, Temer destacou que a Advocacia Geral da União (AGU) utilizou os instrumentos jurídicos para conseguir, no Supremo Tribunal Federal, desbloquear as vias interditadas pelos caminhoneiros.

“Disseram que o governo deveria sair espancando as pessoas para impedir [a greve dos caminhoneiros]. Usamos o diálogo, no primeiro momento, e, depois, a autoridade, conectada ao diálogo. Chamamos as forças federais e, em breve tempo, superamos algo que parecia insuperável. Utilizamos os instrumentos jurídicos”, acrescentou.

Para liberar as rodovias bloqueadas por caminhoneiros, Temer acionou as Forças Armadas e o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, afirmou que os militares agiriam de maneira “enérgica”.

Sistema de Segurança Pública

Ao destacar a sanção da lei que cria o Sistema Único de Segurança Pública, Temer ressaltou que a violência é um “drama” que faz parte do cotidiano dos brasileiros nas cidades e no campo.

Segundo o presidente, essa “inaceitável tragédia humana” é hoje enfrentada principalmente por mulheres, jovens e crianças;

“O fato é que nós todos somos vítimas de uma criminalidade que, cada vez mais sofisticada, precisa de um combate também sofisticado, igualmente articulado e coeso”, afirmou Temer.

Por G1