A notícia na íntegra | por Gláucia Lima

quarta-feira

11

maio 2016

0

COMENTÁRIOS

Waldir Maranhão ‘vira’ cordel

Por , em Brasil, Humor

CACHAÇA ERRADA NO MARANHÃO – Miguezim de Princesa

I
Numa sessão do AA,
O velho Mané Sinhô
Contou sobre uma carraspana
Que certa feita tomou
E uma batalhão da Polícia
Sozinho desafiou.

II
Ele tomou litro e meio
Da cana Velho Barreiro.
Depois do terceiro gole,
Pulou no meio do terreiro,
Difamou o promotor
Perto da Rua do Ferreiro.

III
O juiz “Mão-de-Gengibre”
Chegou para apaziguar,
Juntamente com o prefeito
E a mãe de um parlamentar,
E Mané Sinhô com uma faca
Dizendo que ia matar.

IV
Foi quando se aproximou
A tropa do batalhão,
Mané surrou um soldado,
O cabo caiu no chão,
Deu rasteira no tenente
E uma “banda” no capitão.

V
Hoje Mané se lembrou
Da antiga confusão,
Foi aí que percebeu
Que o Waldir Maranhão
Bebeu da Velho Barreiro
Para anular a sessão.

VI
Foram três litros de pinga,
Tira-gosto de linguiça,
Uma farofa de cebola,
Um assado de chouriça
E uma carta de intenções
Do ministro da Justiça.

VII
Waldir começou com medo,
Falou que ia pensar,
Que a coisa era complexa,
Mimimi e blábláblá,
Mas, quando tomou a cana,
Começou a engrossar.

VIII
Na quarta ou quinta bicadas,
Afirmou: – Vou assinar,
Não tenho medo de Cunha,
De Temer nem de Jucá,
Eu abro a tampa do pote
Só pra ver destambocar!

IX
– Já quiseram me pegar
Uma vez lá em Codó
Com um fio do meu bigode
Na pemba do catimbó,
Porque eu não quis casar
Com a moça de um peito só.

X
Pior foi no dia seguinte,
Quando o efeito passou
Da cana que tinha tomado
E ele viu o que assinou,
Desembarcou da viagem
Que bêbado só tem coragem
Na hora do estupor!

 

Deixe seu recado através do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *